CARTAZ 2017

imagem

imagem

imagemimagemimagemimagemimagem

Mais de 3 décadas depois do arranque, os Xutos & Pontapés são o emblema do que significa rock & roll em português, por portugueses, para portugueses. Donos de um acervo de clássicos que faria muitas bandas roerem-se de inveja. Verdadeiros “animais de palco” que vivem para a festa dos concertos que cimentam a sua ligação indestrutível com um público sempre presente à chamada, braços cruzados em X a celebrar a maior longevidade de uma carreira rock neste cantinho à beira-mar plantado. Duas guitarras a abrir, uma bateria a bombar, o baixo a marcar a pulsação, 1-2-3-4, três acordes básicos e a correria desenfreada do cavalo à solta.
Há 38 anos que é assim e vai continuar a sê-lo enquanto Tim, Zé Pedro, Kalú, João Cabeleira e Gui continuarem a acreditar na força do rock'n'roll, na energia de estar em palco e a partilhar estas canções com o público que fez delas hinos. Os Xutos continuam a ser a locomotiva rock'n'roll que arrasta multidões; gerações inteiras, pais e filhos, juntos a celebrar canções que já fazem parte da nossa história. Da nossa vida.

 

imagem

imagem

imagemimagemimagemimagemimagem

Desde a sua estreia em disco, em 2011, os Amor Electro não têm parado de crescer, tornando-se num dos principais projetos da moderna música portuguesa da atualidade., arrecadando prémios tais como, 2 Globos de Ouro, 1 EBBA AWARD, melhor musica do ano (2011 , 2013 ), melhor banda do ano, entre muitos outros.

A estreia com ”CAI O CARMO E A TRINDADE “(2011), Tiago Pais Dias, Rui Rechena e Ricardo Vasconcelos proporcionam a Marisa Liz, reconhecidamente uma das mais marcantes vozes da atual música portuguesa, o ambiente ideal para exprimir todo o seu talento, graças a uma personalidade única, onde modernidade e tradição, raízes populares e eletrónica, colidem para darem origem a um som extremamente original, carregado de carisma, emoção e “portugalidade".

"(R)EVOLUÇÃO” (2013), o segundo disco, acrescenta a energia contrastante do Rock mais progressivo à vincada personalidade da banda, sem que a sua intensidade singular deixe de estar constantemente presente. Em 2016 escrevem o tema "Juntos Somos mais Fortes" o hino da RTP para o Euro 2016 e o hino do comité olimpico de Portugal para o Rio2016, com o qual a banda conquistou o coração de todos os portugueses.

Os Amor Electro preparam-se para lançar o 3ºdisco de originais em Maio de 2017, que já conta com o single “SEI“, canção que tem sido muito bem recebida pelo publico.

 

imagem

imagem

imagemimagemimagemimagem

Capicua nasce no Porto, onde aos 15 descobre o Hip Hop.
Socióloga, doutorada em Geografia, é sobretudo uma Rapper militante.
Com duas mixtapes, dois álbuns editados (Capicua, 2012; Sereia Louca, 2014) e um disco de remisturas (Medusa, 2015), tem somado uma vasta lista de concertos pelo país e conquistado um público diverso e o reconhecimento da crítica.
Conhecida pela sua escrita emotiva e politicamente engajada, pela espontaneidade e por uma clara atitude feminista, conta já com uma longa lista de colaborações, conferências, projetos sociais e workshops, sempre em torno da palavra e da música.
De assinalar é também o seu curto, mas marcante, percurso como letrista.

 

imagem

imagem

imagemimagemimagemimagemimagem

Diogo Piçarra surge no panorama da música portuguesa como cantor, intérprete, músico, produtor, escritor e artista.

Português, natural de Faro, mas com os olhos postos no Mundo, é em 2006 que inicia um percurso que lhe mudaria a vida para sempre. Foi nas suas primeiras aulas de guitarra que começa pela primeira vez a dar voz a todos aqueles que o rodeavam.
Um ano depois, ajuda a fundar a banda algarvia "Fora da Bóia", onde não só se destacou como guitarrista da banda, como também pelas suas qualidades vocais e de composição.
Após 4 anos de banda, e de um relativo sucesso regional, Diogo Piçarra abandona o grupo para dar prioridade aos estudos e terminar a licenciatura fora do país, na República Checa.

Em 2011, de regresso a Portugal, Diogo renasce como artista, mas desta vez decide criar as bases para uma carreira a solo. Mas foi em 2012, após cerca de 4 meses de audições, provas e actuações ao vivo, que Diogo Piçarra se sagra no novo Ídolo de Portugal, cujos prémios foram um curso de música com a duração de 6 meses na London Music School, em Londres, e um contrato discográfico com a editora Universal Music Portugal.

Diogo volta a Portugal em 2013 com o diploma de melhor aluno do curso e, em 2015 lança o seu primeiro álbum "Espelho" que atinge na primeira semana o número 1 do top de vendas e em 2016 é considerado disco de ouro.
2017 será um ano marcante na carreira de Diogo Piçarra. No dia 31 de março lança “do=s”, o segundo álbum de estúdio que marcará também o lançamento de um novo espetáculo.
Um espetáculo que se espera emocionante e de partilha com o seu público – a sua enorme família - onde Diogo Piçarra vai percorrer os grandes Hits que têm marcado a sua carreira: ‘Tu e Eu’, ‘Dialeto’, ‘Verdadeiro’, ‘Entre as Estrelas’, ‘Wall of Love’ e o novo single ‘História’, dando também a conhecer as canções que compõem o novo disco “do=s”.

 

imagem

imagem

imagemimagemimagemimagem

Desde o underground tomou de assalto as rádios e manteve o mesmo respeito e valores pela vida, sem qualquer detenção ou receio é hoje um dos grandes “Poetas Urbanos” do panorama musical nacional – BEZEGOL – porque assim lhe chamam desde miúdo, fruto de um timbre inconfundível e único na música que se faz em Português.

Durante anos foi presença na noite da cidade invicta até que em 1995 se mudou para fora do País.
Após um interregno de quase 5 anos, Bezegol regressa a Portugal e faz nascer o seu primeiro registo oficial numa colaboração com Wolfgang Schlögl (Sofa Surfers) editado no álbum de IWolf “Sincerely Yours”, pela Klein Records.

Em 2003 compôs o seu primeiro single "Fire", para a primeira compilação da MATARROA em duas noites intensas pulsadas pela inspiração. A persistência levou-o a trilhar um novo rumo por sonoridades pouco exploradas em Portugal, do Reggae, ao HipHop, á guitarra Portuguesa, a voz crua do homem rude, criava vida.

Em 2007 chegou ao top da Antena 3 e do itunes com o tema "Forever Love" single do que veio a ser o seu primeiro álbum de originais "Rude Bwoy Stand" editado pela Matarroa.

Dois anos depois surge um telefonema com um convite inesperado: Bezegol devia partir para Colónia onde seria um dos 19 músicos com outras tantas nacionalidades que iriam participar na criação do projecto Koalas Desperados. Gravou 7 temas entre os quais "Tempu" e partiu em tour por terras germânicas com a banda. Consciente que o “tempo não volta atrás” produziu, no mesmo ano, o Rude Ep a convite de Henrique Amaro, “ uma produção fugaz que ficou na nossa história” e que contou com a colaboração de Tó Trips no tema "Rude Sentido".

A ascenção de Bezegol prosseguiu com “Monstro”, seres transversais que vivem por todo o lado:
na cabeça de Bezegol, nas nossas, nas ruas, no parlamento, nos gestos, na música. “Fugir à norma” sem escapar da realidade é um dos lemas de Bezegol que o incita à luta, à criação artística sem conformismos com uma forte mensagem, exemplo disso mesmo é o tema "Fora da Lei" no primeiro registo da RUDE RECORDS.

Em 2013 edita “S.A.C.A.N.A.” e cimenta a posição de músico interventivo, mas versátil, desde as diferentes sonoridades até várias temáticas líricas, umas vezes em português outras em inglês, sem discriminação porque a música não tem donos, cor ou nacionalidade e de onde sairam temas tão distintos como "Rainha sem Coroa","Beat on the Brat" ou "Era tão bom".

No final de 2015 apresentou no seu canal de Youtube a chamada Prequela de um trabalho que será apresentado em Setembro deste ano e que conta com a participação de Rui Veloso em um dos temas.

 

imagem

imagem

imagem

Um projecto musical de originais, que viaja pela funk e soul, com traços jazzísticos que se fundem num som rico e forte, com letras cantadas em inglês que emanam mensagens positivas.
Com 9 elementos em palco, onde estão 4 instrumentos de sopro (2 trompetes, saxofone e trombone) a energia é contagiante e a interacção com o publico inevitável.
Dançável, energético e com temas que ficam no ouvido, SUPERNOVA marca pela originalidade, bom gosto e qualidade técnica aplicada em cada tema.
Com eventuais participações de alguns nomes importantes do panorama musical português, como Laurent Filipe e Soul Gospel Project, SUPERNOVA arante um espectáculo de boa musica até para os ouvidos mais exigentes.